Como abrir uma empresa importadora?

Abrir empresa importadora

 

Muitos empreendedores demonstram o interesse em abrir uma empresa tendo a importação como atividade principal. O caminho para a tomada da decisão para a abertura da empresa é cercada de dúvidas. Além da burocracia já existente, o futuro importador tem que se preocupar com o desenvolvimento de fornecedores, o entendimento dos procedimentos de importação e o desenvolvimento de parcerias com prestadores de serviço.

 

De forma sucinta e simplificada, destacamos os principais pontos para o início das atividades de importação:

 

Importação gráfico empresa

Como abrir uma empresa importadora?

Não necessariamente será necessário abrir uma nova empresa para a atividade de importação. Caso já exista um CNPJ ativo, a empresa importadora poderá realizar suas operações desde que a atividade/produto esteja previsto no(s) CNAE(s) indicados no contrato social. Caso contrário, deverá ser solicita a inclusão do novo CNAE.

A utilização de CNPJ já ativo poderá ajudar no deferimento do radar, pois já tem um histórico de movimentação e pagamento de impostos no mercado interno. Entretanto este CNPJ deverá estar em dia em questões de pagamento de impostos e direitos trabalhistas.

A palavra Importação poderá aparecer no nome fantasia reforçando assim qual será a atividade principal da empresa. Exemplo: Tabajara importadora e distribuidora de produtos alimentícios.

O artigo não trata sobre a abertura de Trading Company ou Comercial Importadora e Exportadora. Este temas são discutidos em legislação própria de acordo com as regras da Receita Federal.

 

Pontos importantes:

  • Não existe um CNAE específico para a importação;
  • No momento de solicitação de abertura do Radar (habilitação para importação), o histórico da empresa poderá ajudar no deferimento por parte da Receita Federal;
  • A abertura de nova empresa implica na necessidade de vinculação de capital social para comprovação da capacidade financeira para fins de concessão do Radar.

 

Planejamento na importação

O início das atividades de importação de uma empresa deve englobar a análise de aspectos que vão além do desenvolvimento de fornecedores internacionais com produtos de qualidade, tecnologia e custos competitivos. Antes de iniciar suas operações de compra internacional, o empresário deve fazer um levantamento detalhado dos fatores que impactam direta ou indiretamente as importações.

 

planejamento importacao

Dica 1: Conte com a ajuda de um profissional de comércio exterior para o levantamento das opções citadas acima. È muito importante que sejam levantadas opções para as operações padrões.

Dica 2:  Simule diferentes cenários de dólar para verificar o ponto limite de viabilidade para as importações.

 

Conhecimento do mercado Consumidor

Além de saber de quem importar ou o que importar, a empresa deverá ter amplo conhecimento do mercado consumidor.

É necessário que a empresa saiba detalhes como estratégia de atuação dos concorrentes, canais de venda e distribuição, produtos concorrentes, produtos substitutos, legislação e outros pontos que determinaram a melhor forma de atuação no mercado alvo.

Conhecimento do mercado consumidor

 

RADAR

Antes de uma empresa iniciar suas operações de importação e exportação é preciso estar com a documentação em dia com a Receita Federal. Um dos documentos mais importantes requeridos pelo órgão responsável pelo controle aduaneiro no Brasil é o RADAR.

Para a solicitação do Radar, habilitação para importação e exportação , é necessário a apresentação de documentos da empresa e do seu representante legal.

O requerimento deve ser feito na unidade da Receita Federal mais próxima da região em que a matriz da empresa esteja localizada. É importante que o solicitante leve todos os documentos necessários para a habilitação do RADAR.

 

Opções logísticas para pequenas importações

O início da atividade de importação é caracterizado pelo embarque de pequenos volumes (baixa quantidade de produtos). Os principais motivos para isto são:

  • Capital limitado para investimento na importação
  • Alto custo logístico (transporte internacional) e impostos
  • Abertura de novos mercados com baixas demandas iniciais
  • Lotes pilotos para verificar a aceitação do mercado e a qualidade dos produtos
  • Temor de perda das mercadorias. Não investir todo o capital disponível em um único embarque
  • Demanda sazonal: variação da demanda ao longo do ano

Na busca do melhor custo, o importador encontra algumas alternativas tanto quanto inusitadas que resolvem a curto prazo, mas que podem não ter sustentação a médio e longo prazo como subfaturamento e menção de quantidade menor da real embarcada.

Para que busque a melhor relação de custo x benefício na sua importação, o empresário deve antes de qualquer coisa entender o impacto dos custos de importação, principalmente em embarques de pequenas quantidades. Neste momento deixaremos de lado embarques através do RTS para focar em embarques pelo RTF que é o início do processo de formalização das importações.

Como praxe, embarques com valor FOB abaixo de US$ 10 mil sofrerão o impacto direto de custos logísticos. Os principais impactantes sobre o custo final de importação em pequenos embarques são:

  • Taxas (aero) portuárias;
  • Despachante aduaneiro;
  • Contrato de câmbio (tarifas bancárias para pagamento ao fornecedor);
  • Transporte internacional e rodoviário no país de destino;
  • Outras taxas como Siscomex e Marinha Mercante (embarques marítimos).

 

 

Por fim, algumas dicas:

 

  1. Quando a opção for fazer um embarque para uma demanda semestral ou trimestral, utilize esta demanda como um poder de barganha para negociar melhores condições do preço FOB
  2. O seu concorrente no mercado interno pode ser um aliado na importação. Faça alianças com outras empresas do segmento para que consida a demanda necessária para trazer embarques acima de U$ 10 mil como valor FOB.

 

Por Mário Lopes, diretor da IBSolutions – Soluções em Comércio Internacional

mario@ibsolutions.com.br

Veja também

Leave a Comment