Como usar o conceito growth hacking para sua empresa crescer

 

Sean Ellis uso o termo growth hacking pela primeira vez em 2010 como uma forma de usar meios analíticos, de baixo custo e inovadores para possibilitar o crescimento rápido de empresas e projetos.

Para destrinchar melhor o termo, temos as seguintes informações:

● Growth – crescimento

● Hack – brecha, espaço, oportunidade

● Hacking – o ato de encontrar e explorar essas oportunidades e espaços

Um grande exemplo disso é o caso da 3M, que tentava inventar um tipo de produto, mas que em um “erro” descobriu a oportunidade de exploração dos Post-Its.

O que Sean quis apresentar ao mercado é que, isolando fatores como motivação e repetição, algo muito comum em startups, e focando nas oportunidades é possível conseguir um crescimento rápido nas operações.

Mas como fazer isso? Como isolar o lado racional do emocional? Como posso aplicar esse conceito de growth hacking em meu negócio?

Para te ajudar a encontrar essas respostas, alguns passos precisam ser tomados:

● Qual é o seu público-alvo?

● Como você definiu o público-alvo?

● Já fez uma pesquisa com os consumidores para entendê-los?

● Qual o valor de vida do seu cliente?

● Qual o custo de CPA em diversos canais?

● Em qual canal você tem melhores clientes?

Growth hacking é a evolução dos trabalhos a partir da utilização dos dados. Onde estão as melhores oportunidades? É por ali que vamos focar nossos esforços.

Aplicando growth hacking em marketing de conteúdo

Se você é profissional de marketing de conteúdo, SEO e outras ramificações, precisa dar atenção aos dados de ferramentas como: Google Analytics, Google Search Console e SemRush, por exemplo.

Ao longo dos últimos 12 meses, em trabalho para uma empresa de educação que queria rankear para o ENEM, fizemos uma pequena série de textos para medir o potencial de rankeamento e oportunidades.

Depois de três meses de geração de conteúdo paramos para analisar os números. Ali observamos que os termos para o ENEM teriam uma dificuldade tremenda, justamente por toda empresa querer aquele espaço.

Com dados do Search Console, percebemos que o Google estava apresentando nossos conteúdos para alunos em fase preparatória para o Exame Nacional do Ensino Médio. O que fizemos?

Ajustamos o conteúdo para atender aquela demanda, desta forma fomos para as primeiras posições do Google para pesquisas sobre as principais ideias do sociólogo Émile Durkheim ou explicações de como fazer uma resenha de um filme.

growth hacking

O que descobrimos com o experimento?

O tráfego orgânico cresceu rápido, mês a mês, e passamos a explorar outras áreas do conhecimento, outros vestibulares, listas de faculdades.

“Growth Hacking é marketing orientado a experimentos.” (Sean Ellis)

É justamente isso que quero recomendar a você. Experimente, teste, analise dados e faça modificações no seu planejamento.

Não se prenda a desejos, sonhos, coisas que podem ser mudadas pelo mercado. Encontre as brechas e explore as oportunidades.

 

Como usar growth hacking em campanhas de ADs?

Acima apresentamos alguns pontos sobre como usamos experimentos de growth hacking para o marketing de conteúdo. Contudo, esse conceito pode ser aplicado em diversos setores para permitir o crescimento acelerado das empresas.

Um grande exemplo disso é o uso de growth hacking em campanhas de Google Adwords, Instagram ou Facebook.

Vamos aqui supor que você faz campanhas para um vendedor de vinhos e que explora produtos importados de Argentina, França, Chile e Uruguai.

Identifique o valor gasto em cada campanha. Se fizer uma campanha só, é hora de desmembrar para ter uma medição mais precisa.

Agora que você tem o valor gasto, identifique o retorno obtido por cada estratégia:

● Quantas vendas foram geradas?

● Todos os pagamentos foram concluídos?

● Qual o ticket médio dos pedidos pagos?

● Clientes obtidos em alguma dessas campanhas voltam a comprar?

● Quanto tempo esses clientes permanecem ativos, continuam comprando?

Gaste um pouco de tempo desmembrando o histórico e dados sobre suas campanhas. Essas informações serão úteis para que você possa focar em resultado.

Vamos supor que você descobriu que as campanhas da Argentina geram mais pedidos, com ticket médio de R$ 60, mas que os clientes não voltam a consumir.

Já no caso do Uruguai, você tem pedidos com o CPA 40% mais caro, mas com ticket médio em R$ 100 e que os clientes costumam fazer mais dois pedidos no site.

No caso da França, cada cliente custa 3x mais do que aqueles da Argentina, mas o pedido médio é de R$ 400, com novos pedidos a cada mês por 1 ano.

Com esses simples dados você já pode aplicar algumas medidas de growth. Existe potencial de ampliar os clientes que procuram por vinhos da França? Se sim, foque mais de 70% dos investimentos para atrair este tipo de consumidor.

Aplique outros 20% para clientes que buscam vinhos do Uruguai, deixe uns 5% de manutenção para a Argentina e use os outros 5% em novos experimentos.

É importante saber que sem dados não há como fazer growth hacking.

Você pode explorar esse princípio para serviços, para produtos online, em lojas e muitos outros setores. Pare um pouco de observar os seus concorrentes e olhe agora para os seus consumidores!

Depois de aprender como usar o conceito growth hacking para sua empresa crescer, veja alguns conteúdos que preparamos aqui no Super Atualizado:

Coloque o cliente em primeiro lugar

Como fazer o planejamento de Marketing efetivo?

Se você achar que esse conteúdo sobre growth hacking possa ser interessante para algum amigo, não deixe de compartilhar por meio de suas redes sociais!

Veja também

Leave a Comment